Tribuna de Petrópolis

Texto A - A A +

E agora...

Por: Rogerio Tosta
11/02/2017
Compartilhar:

O grande poeta brasileiro, Carlos Drummond de Andrade escreveu o poema “José”, que começa “E agora, José? / A festa acabou,...”.

Plagiando este grande poeta pergunto: E agora José, Maria, Sebastião, Mario, André, Ana, Rogerio... cidadão.

A farra da corrupção está em cheque com a operação Lava Jato e tantas outras que surgiram dela. Está em cheque com políticos e empresários presos. No entanto, nas duas casas legislativas do Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senadores) as articulações políticas para salvar políticos acusados de corrupção, processados e denunciados continuam a todo vapor, ou melhor, na velocidade da internet. O mesmo ocorre no Planalto, com o presidente Michel Temer descumprindo, mais uma vez sua palavra sua palavra e criando novos ministérios. Sendo que um deles, leva a crer que é para salvar a pele de Moreira Franco. E segundo líderes do governo, não tem nenhuma semelhança ao que fez a ex-presidente Dilma Rousseff ao tentar nomear o ex-presidente Lula.

De fato, não há nenhuma semelhança, Lula é ex-presidente e Moreira Franco, como bom líder peemedebista está sempre do lado do poder, independente de quem recebeu a faixa presidencial.

E agora...

O Rio de Janeiro falido, sem dinheiro para pagar as contas e cumprir seus compromissos com os servidores públicos. O governador e seu vice cassados pelo TRE por crime eleitoral. Na Alerj, deputados estaduais fazem críticas e defendem o governador e alguns afirmam que Pezão, não tem mais condições de governar o Estado. Para tentar salvar o Estado da má administração pública, que nos últimos anos foi conduzida por Sergio Cabral, que está preso e por Pezão, anteriormente vice e hoje governador, querem aprovar um pacote que atinge diretamente o servidor estadual e ainda querem privatizar a Cedae. Mas, em contrapartida, o governador não apresenta projeto de cortes de secretarias e nem nos cargos comissionados, mais quer punir o servidor, inclusive o aposentado.

E agora...

No Espírito Santo, mesmo sem problemas financeiros, o Governo não dá aumento aos policiais militares que, por meio de uma manifestação de seus familiares, estão presos nos quartéis sem sair. Com isso, o Espírito Santo se transformou numa terra sem lei e para garantir a ordem o Exército e a Força Nacional foram chamados. O temor agora é que esta situação se espalhe pelo país, com policiais ficando nos quartéis enquanto seus familiares, fecham as saídas dos quartéis impedindo que vão para rua.

Talvez esta seja uma nova modalidade de fazer greve no Brasil. Os trabalhadores ficam entrincheirados dentro dos seus locais de trabalho ou no portão dos mesmos “tentando entrar ou sair”, enquanto seus familiares protestam por melhores salários, uma saúde melhor, um sistema de transporte com qualidade, mais emprego....

A verdade é que, com os atuais políticos brasileiros, instalados na capital do país, não há como este país ir para frente.

E agora cidadão brasileiro, é hora de mais vez acordar o “gigante adormecido” e lutar com as armas que temos – o voto – para limpar o Congresso Nacional e as assembleis legislativas.

E agora José, Maria, Sebastião, Mario, André, Ana, Sebastião, Rogerio,... cidadão.

Veja mais www.rogeriotosta.com.br

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Jornal Tribuna de Petrópolis.