Tribuna de Petrópolis

Texto A - A A +

“Devagarinho é que a gente chega lá...”

Por: Moisés Inôcencio ( Barão)
19/06/2017
Compartilhar:

“Devagarinho é que a gente chega lá...”

Este pequeno trecho de um dos sambas mais conhecidos nos últimos tempos, pode até representar que gradativamente nós iremos mostrar mais e mais das muitas belezas do interior de nosso estado.

Mas não foi à toa que citei esta letra, pois desta vez, o De moto pelo inteRIOr foi conferir de perto o lugar onde nasceu o grande compositor e intérprete Martinho da Vila.

Mas Martinho, o ilustre filho deste município, não é o único destaque deste lugar. Todos os seus habitantes merecem destaque, inclusive os de “doce alma”.

Portanto, novamente convido a todos a tirarem suas motocas da garagem e conhecer um pouco mais sobre o interessante perfil desta cidade. Vamos até...


Duas Barras?

História:

Ainda no início do século XIX, começavam a surgir alguns povoados na localidade, onde hoje faz parte da região Serrana do Rio. Na época, as únicas moradias eram feitas de pau a pique e barracões com coberturas em palha, para abrigar alguns boiadeiros, trabalhadores, ferramentas e até utensílios para animais de carga.

Estes viajantes, em sua grande maioria eram pessoas ligadas a produção de café, algo cravado na história de todo o estado do Rio de Janeiro. Muitos deles tinham como destino o acesso a alguns rios, como o Rio Paraíba do Sul, que também servia para escoamento das produções agrícolas.

Somente no final daquele século que algumas autoridades, e também alguns “coronéis” fazendeiros, começaram a chegar na região. Em 1891, a Fazenda Tapera como era chamada aquela localidade, passou à Vila de Duas Barras, sendo desmembrada inclusive, do município de Cantagalo, a qual pertencia.

Duas Barras recebeu este nome por sua localização, isto é, entre as “barras” dos rios Negro, Rezende e o Córrego do Baú.

Diferente de outros municípios na qual tem o café somente como parte da história, Duas Barras ainda hoje é um dos maiores produtores desta rica especiaria.

Hoje, entre muitos atrativos, Duas Barras nos apresentam sua antiga arquitetura colonial preservada e tombada, belas cachoeiras, além de um excelente evento gastronômico, o Festival do Bacalhau, que acontece todo ano nos meses de outubro.

O lugar é muito agradável, onde literalmente, tudo gira em torno da praça principal. Durante o dia, não é incomum encontrarmos moradores na praça, principalmente idosos, proseando ou simplesmente vendo o dia passar. As antigas portas e janelas de madeira das casas ao redor da praça Governador Portela, com certeza já testemunharam muitos fatos e acontecimentos ao longo de todos estes anos.

Martinho da Vila:

Um dos filhos ilustres do município de Duas Barras, é o grande cantor e compositor de nossa Música Popular Brasileira, Martinho José Ferreira, ou simplesmente Martinho da Vila.

Apesar de Martinho ter se mudado para a capital aos quatro anos de idade, ele faz questão de sempre estar por lá, caminhando pelas ruas tranquilas e revendo os velhos amigos. Tanto é que, uma de suas composições foi em homenagem à sua cidade natal, cujo título é “Meu off Rio”, dizendo em parte de sua letra que Duas Barras é:

“...um lugar especial, pra quem é sentimental, e aprecia um bom bacalhau."

A Casa da Cultura, localizada ao lado do prédio da prefeitura, se encontra um belo acervo da vida e carreira de Martinho da Vila, onde podemos contemplar algumas premiações, fotografias, condecorações, e até vestuários usados em desfiles de escolas de samba ao longo de sua carreira.

Doce Vida:

Há seis quilômetros do centro de Duas Barras em direção a Nova Friburgo, às margens da RJ-144, podemos encontrar um simples e rústico ponto de vendas de doces, a Parada Wermelinger. Lá, o simpático Sr. Celso Wermelinger, irá nos atender com total simpatia, nos mostrando sua variedade de doces, todos feitos de forma artesanal em seus grandes tachos de cobre. Todos deliciosos!

Muito atencioso, Celso dá continuidade à história da família, onde há quase cem anos fabricam seus doces com muito carinho e dedicação. Tanto é que algumas frutas, ele faz questão de escolher pessoalmente nas fazendas da região, como figos, pêssegos e goiabas. Uma forma amorosa de fazer sua doce arte.

Logo que chegamos à vendinha, podemos observar em suas rústicas prateleiras os vários tipos de delícias, como: Goiabada cascão, doce de leite, doce de figo, de pêssego, de banana, etc., tanto em compotas, geleias ou em pedaços. Vale a pena sair da dieta ao conhecer Duas Barras.

“Sou exigente na qualidade dos meus doces. E não somente pra garantir nossa tradição, mas pra ter a tranquilidade de que realmente estou agradando os nossos clientes e amigos”, comenta Celso enquanto meche mais uma remessa de doce de leite.

Com muito carinho, Celso teve que interromper nossa prosa por um nobre motivo: tinha que colher pessoalmente alguns figos em fazendas da região, para produzir seus doces artesanais.

Como chegar:

Há um pouco mais de 160km de Petrópolis, Duas Barras tem fácil acesso, inclusive para quem vem de outras localidades de nosso estado.

Saindo de nossa cidade, siga pela BR-040 sentido Juiz de Fora. Já no território de Três Rios, acesse a BR-393 (Rodovia Lúcio Meira) passando por Anta e Sapucaia. Para os mais antigos, esta também é conhecida como rodovia Rio x Bahia.

Depois de 28 quilômetros após passar por Sapucaia, você entra no município de Carmo, às margens da ponte que divide o estado do Rio ao estado mineiro. Depois, é só seguir pela RJ-144, passando inclusive no centro da cidade de Carmo.

Ao prosseguir pela RJ-144, acelere menos para poder observar melhor a belíssima paisagem, com linda vegetação, pássaros se exibindo às margens da estrada, e ser agraciado pelos vários aromas, desde cheiro de flores, folhas, e inclusive de lenhas sendo consumidas por fogões rústicos da população local.

Muita atenção nesta estrada, pois ela possui uma serra com aclives, declives e curvas muito acentuadas.

Se você estiver com mais tempo, uma outra dica é retornar por Nova Friburgo, e aproveitar a beleza daquela cidade também da região serrana. Vale apena.

Agradecimentos:

Quero agradecer à Sr. Maria das Graças, responsável pela Casa da Cultura, que tão bem me recebeu. E também ao Felipe do restaurante Moinhos, localizado bem no centro de Duas Barras, onde podemos nos satisfazer com seus bons pratos ali oferecidos, e com preço justo. O De moto pelo inteRIOr recomenda.

E claro, novamente agradecer ao Sr. Celso Wermelinger, que disponibilizou parte de seu tempo para receber o De moto pelo inteRIOr.

Uma boa viagem a todos, e Deus os abençoem!


Veja mais no InteRior.


Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Jornal Tribuna de Petrópolis.