Tribuna de Petrópolis

Texto A - A A +

Doenças ligadas aos hábitos alimentares crescem no país

04/09/2017
Compartilhar:
Reprodução Internet

Estudos indicam que doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e obesidade, têm aumentado entre os brasileiros. Pior: elas aparecem cada vez mais cedo, resultado do estilo de vida que a população leva, em que a alimentação representa um dos principais pilares. Com base nisso, é importante entender o que pode ser feito para melhorar o atual cenário.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2016, 58% dos latinos estavam com sobrepeso, sendo que 56% relataram estar tentando perder peso. Porém, essa é uma questão levantada há anos e nota-se que uma grande parte da população ainda não sabe por qual caminho seguir para conquistar o peso ideal e, mais do que isso, uma qualidade de vida melhor.

“Um dos principais fatores que justificam essa falta de conhecimento é a ideia de que é necessário se privar de determinados alimentos considerados ‘vilões’. Ou seja, muitas pessoas acham que precisam sofrer e abrir mão de alguns prazeres para melhorar sua saúde, o que acaba causando o efeito contrário”, conta Daniel Magnoni, cardiologista e nutrólogo do Instituto Dante Pazzanese. “A recomendação de aumentar o consumo de vegetais e frutas e evitar o excesso de sal, carboidratos em geral e açúcar não quer dizer que esses alimentos devam ser extintos. A ideia é não excluir nada, e sim criar um paladar atento às sutilezas de sabor e aumentar a diversidade alimentar”, explica a nutricionista Marcia Daskal, membro do comitê multidisciplinar da Campanha Doce Equilíbrio.

Marcia ainda reforça que “retornar à alimentação tradicional do brasileiro, de acordo com as diferentes regiões do País (arroz com feijão, mandioca, farinha, peixe e etc.) pode ser uma boa opção para iniciar uma mudança de hábitos”. Um estudo divulgado em julho de 2017, pela BMC Public Health, demonstra inclusive que esse tipo de alimentação tem efeito protetor contra o ganho de peso em indivíduos não fisicamente ativos.

De acordo com outros dados apresentados recentemente por uma pesquisa realizada pela empresa Nielsen, os consumidores querem cada vez mais transparência e alternativas para melhores decisões sobre o que comer, fatores que se resumem a uma necessidade de maior educação neste sentido. Adicionalmente, o levantamento mostra que subsidiar alimentos mais saudáveis pode ser uma melhor alternativa para aumentar o acesso à variedade de ingredientes.



Veja Também

Começa o cadastramento para fornecer cadeiras de rodas e próteses gratuitas

Garantindo a assistência aos portadores de deficiência do município, a partir de segunda-feira (04) a população poderá solicitar gratuitamente... Leia mais >>

HPV: vacinação continua em 14 postos

Devido à grande procura por jovens de 15 a 26 anos nas unidades de Saúde para imunização contra o HPV, a Secretaria de Saúde do Estado do Rio... Leia mais >>

Posto de Saúde do Meio da Serra está há oito meses sem médico

Os moradores do Meio da Serra estão há quase oito meses sem atendimento médico nos Postos de Saúde da Família (PSF) do bairro. Eles reclamam que... Leia mais >>

Adultos têm só até amanhã para tomar a vacina contra o HPV: 700 foram...

A campanha para imunização contra o HPV entre os jovens de 15 a 26 anos foi intensificada pela Secretaria de Saúde. Seguindo a orientação do... Leia mais >>

Petrópolis tem menos 94% casos de dengue

Hoje (26) é o Dia Internacional da Dengue, a data é lembrada como uma forma de reforçar a importância do combate ao mosquito transmissor da... Leia mais >>

Campanha da amamentação será mantida nos postos de saúde

A campanha do Agosto Dourado chega ao fim no próximo dia 31 e a Prefeitura está intensificando as ações de incentivo ao aleitamento materno junto... Leia mais >>

II Simpósio de Radiologia Mamária reúne especialistas no Hospital Santa...

Considerada a segunda causa de morte em mulheres em Petrópolis, o câncer de mama foi tema do II Simpósio de Radiologia Mamária, realizado no... Leia mais >>