Tribuna de Petrópolis

Texto A - A A +

Reclame menos e viva mais

Por: Alexandre Hugueney/ Economista, engenheiro e terapeuta
19/06/2017
Compartilhar:

O cenário mundial está em constante mutação. É provável que você esteja vivendo na pele alguns dos principais desafios mundiais: vazio no peito e depressão; alimentação desequilibrada; estresse e hábitos nocivos; vícios dos mais diversos; falta de prosperidade; conflitos familiares e muitos outros. Acreditamos, também, que se você entrevistar qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, e perguntar a ela quais são os 10 maiores problemas mundiais, não será difícil de encontrar algo do tipo: fome, miséria, corrupção, doenças, etc. O objetivo desse artigo é alertar sobre uma epidemia oculta e efervescente. Ela está consumindo a sua energia, a sua saúde, o seu amor-próprio, a sua compaixão e a sua paz. Acredite, trata-se de um vírus letal que mata aos poucos, drena suas forças silenciosamente, ardilosamente, porque não se faz perceber. Esta epidemia está na sala de aula do seu filho, na sala de estar da sua avó, no seu escritório, no rádio, na tv e nos seus pensamentos. Estamos falando da epidemia da reclamação, das críticas e das lamentações. Ela está programando a mente das pessoas, silenciosamente, para que se instale a tristeza profunda, pois o caminho das críticas e lamentações é o do fracasso e dos conflitos, que só geram tristeza e nenhum ganho. Algumas conclusões: não reclame da sua vida, agradeça, pois, muitas pessoas gostariam de estar no seu lugar; de repente, em um lugar público, temos a impressão de que mais de 90% do que é falado pelas pessoas presentes está ligado a dores, reclamações, críticas e lamentações; uma vez que começamos a controlar esses impulsos, passamos a nos sentir felizes em um nível absolutamente poderoso e leve, de uma forma completamente nova; devemos nos lembrar de três dogmas: tudo está em constante mutação, o que é verdade hoje pode ser mentira amanhã e vice-versa; cada pessoa tem uma verdade dentro de si, em determinado momento, que pode não ser a sua; e, ninguém é perfeito, todos temos defeitos; na medida em que controlamos a nossa fala, passamos a desenvolver assuntos diferentes aos da maioria das pessoas ao redor, incluindo aquelas mais próximas. Pela lei da atração, atraímos o que transmitimos. Troquemos o conteúdo das nossas reclamações por metas, sonhos e desejos. Quando falamos de críticas nos referimos as que têm por objetivo o menosprezo ou, até mesmo, a inveja, que cada vez mais participa da vida humana. Sempre devemos nos lembrar de agradecer pelo que temos pois é costume darmos valor somente quando os perdemos. Agradeça por sua audição, pois muitos se quer escutam tua voz. Agradeça pelos seus braços que muitos se quer conseguem te abraçar. Agradeça por suas pernas que elas lhe faz caminhar, mas muitos se quer tem o prazer de conferir seus próprios passos. Agradeça por sua vida, pela família e pela liberdade, pois muitos estão em cárceres sem saída. Agradeça principalmente pela saúde quando muitos agora estão enfermos e em leitos de hospitais querendo apenas uma coisa nesta vida: saúde! Não reclame e não se preocupe. Segue em paz, o que for seu de direito o universo traz.  “Não tem nenhum lugar pra encostar sua cabeça/ Alguém veio e levou sua cama/ Não se preocupe, seja feliz!/ O senhorio te diz que o aluguel está atrasado/ Talvez ele tenha que te processar/ Não se preocupe, seja feliz!// Não tem dinheiro, não tem estilo/ Não tem uma garota pra te fazer sorrir/ Não se preocupe, seja feliz!/ Porque quando você se preocupa, seu rosto fica triste/ E isso deixará todo mundo mal/ Não se preocupe, seja feliz!/ Não se preocupe, seja feliz agora! (parte da letra da música  Don't Worry, Be Happy de Bobby McFerrin). 

achugueney@gmail.com