Tribuna de Petrópolis

Texto A - A A +

O BSC e o mapa estratégico II

Por: Alexandre Hugueney - Economista, engenheiro e terapeuta
11/09/2017
Compartilhar:

O primeiro passo para a utilização do Balanced Scorecard (BSC) nas organizações é o desenho do mapa estratégico. O mapa estratégico tem como finalidade decodificar os complexos processos de escolha frente aos quais os gestores de todos os níveis são expostos diariamente. É mediante o mapa estratégico que a alta administração monitora o cumprimento da estratégia. O mapa é composto pelos objetivos, metas e ações dispostos nas perspectivas de gestão. 

O mapa estratégico fornece a representação visual para a integração dos objetivos da organização nas perspectivas do BSC e  ilustra as relações de causa e efeito conectando os resultados almejados para cada perspectiva. No mapeamento estratégico é possível observar relação sistêmica entre as variáveis numa relação causa e efeito, como no exemplo: se aumentarmos o treinamento dos funcionários, então eles estarão mais bem informados sobre as ações que devem tomar.

 Se os funcionários estiverem mais bem informados, a eficácia melhorará. Se a eficácia melhorar, então a média dos resultados das ações tomadas aumentará. São elencados três passos principais para a construção de um mapa estratégico. O primeiro é a elaboração da missão e visão da organização, no caso, da Prefeitura de Petrópolis. O segundo passo é a referência à identificação dos pontos fortes e fracos da administração, bem como as oportunidades e ameaças (Matriz SWOT) que podem influenciar ou confrontar com os interesses da Prefeitura, pressupondo uma série de indagações que serviriam como insumo na construção dos objetivos estratégicos. O terceiro passo foi a apresentação e discussão do mapa estratégico com as Secretarias do governo, objetivando identificar e avaliar os objetivos estratégicos e suas perspectivas. Por fim, devem ser elaboradas as iniciativas e os indicadores de desempenho para cada objetivo estratégico, de maneira que possam apoiar as ações a serem realizadas. 

O ponto de partida da estruturação do Mapa Estratégico é a visão definida para a organização. Formula-se a visão e missão da organização, consequentemente estabelece-se a estratégia, reconhecem-se os responsáveis pelo BSC, e identificam-se os obstáculos a serem enfrentados pelas mudanças. Partindo da análise do cenário, é possível a definição dos temas estratégicos. A seguir passa a ser necessária uma busca de conhecimento por parte dos formuladores a respeito da ferramenta BSC. É importante identificar quem são os gestores que precisam se envolver no projeto para que aconteça o alinhamento estratégico. Em conjunto, rediscute-se a visão e objetivos entre os envolvidos no processo, para então realizar a cadeia de causa e efeito entre os objetivos de todas as perspectivas de valor. É possível, então, se estabelecer os indicadores e metas de desempenho. 

Finalmente, busca-se o desenvolvimento da consciência estratégica, através da contínua comunicação a respeito do andamento do processo. Valida-se a missão, visão e objetivos estratégicos, e define-se as iniciativas estratégicas, hierarquizando-as. Após o alinhamento das áreas executivas em torno das iniciativas estratégicas, o mapa estratégico poderá identificar a integração das competências, recursos e conhecimentos da organização. Assim, as diversas áreas executivas que integram a Prefeitura, devem trabalhar de uma forma sinérgica e com um objetivo comum que é a expectativa de assegurar a sua missão e de atingir a sua visão, de modo a maximizar a satisfação da sociedade petropolitana. A imagem do Mapa Estratégico será apresentada na próxima edição de domingo, pois dependemos de algumas informações solicitadas. Aos leitores que preferem artigos tipo “O prato chinês”, prometemos colocar no próximo domingo as nossas imaginações em dia. 

achugueney@gmail.com