Tribuna de Petrópolis

Texto A - A A +

Parceiros de ouro I

Por: Alexandre Hugueney - Economista, engenheiro e terapeuta
10/07/2017
Compartilhar:

Com este artigo começamos uma série intitulada Parceiros de Ouro que visa mostrar aos leitores o importante trabalho que é prestado por esses parceiros em benefício da cidade de Petrópolis e de sua população sob os mais variados aspectos. Esperamos ter feito justiça e acertado nos critérios que definiram algumas entidades como participantes deste rol de relevantes serviços prestados na nossa cidade. Alguma ausência injusta pode ser justificada e ter a sua presença requerida, já que os artigos, sejam os já escritos ou aqueles que virão, sempre tiveram ou terão por base a participação de todos. Para dar início a série, escolhemos o Centro Educacional Terra Santa.

 Entidade bastante conhecida em Petrópolis pelo seu árduo trabalho social dedicado a comunidade local. Inicialmente vamos dar uma sinopse de sua história que pela sua relevância faz parte da historia da própria cidade. Em 1918, uma grave epidemia de gripe, após o término da 1ª Guerra Mundial, deixou um grande número de crianças e idosos desamparados, por terem perdido seus familiares. Essas pessoas necessitavam de cuidados especiais e isso preocupou algumas personalidades da sociedade local (Wenceslau Braz, Pereira Gomes, o Conselheiro Rui Barbosa, o Barão de Oliveira Castro, a Princesa de Belford Herminia de Souza Sampaio, o Conde de Paranaguá Mário Pinheiro, o Conde Paulo de Frantein e muitas outras), que se mobilizaram buscando auxílio.

 No dia 14 de abril de 1918, o grupo fundou a Associação Protetora do Recolhimento de Desvalidos de Petrópolis que, no mês seguinte, passaria a ter sua sede no antigo Comissariado. Em 1969 passou a denominar-se Casa dos Meninos de Petrópolis. Atendendo em regime de internato, esse trabalho permaneceu até 1989, quando, para melhor se adequar às necessidades dos usuários, passou para o regime de semi-internato. A partir de 1998, a Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil passou a fazer parte, ainda que indiretamente, do trabalho desenvolvido pela instituição. As Irmãs Franciscanas de Siessen e frades estagiários (estudantes do Instituto Teológico Franciscano) começaram a trabalhar em busca de resgatar o perfil inicial de atender crianças e adolescentes desprovidos dos direitos básicos da vida. No início de 2001 foi aprovada a mudança do nome de Casa dos Meninos de Petrópolis para Centro Educacional Terra Santa(CETS). A instituição, então, adotou um novo plano de atuação, composto de dois projetos sociais: Aquarela (atendimento a crianças de 5 a 10 anos em horário complementar com atividades educativas) e o Cultura Pela Paz (voltado para adolescentes, na idade de 11 a 18 anos, com oficinas educativas e profissionalizantes). 

No ano de 2010, Frei Antônio Moser assume a presidência do CETS e apresenta um novo plano de ação que tem como base, manter os projetos já existentes, e ampliar o número de atendidos. Em 2011, devido a grande demanda de um projeto que atendesse ao público da terceira idade, foi implementado o Projeto A Fórmula do Bem Estar. Desta forma, o CETS busca realizar plenamente a sua missão institucional, isto é, atender crianças, jovens, adolescentes, adultos e idosos em risco pessoal e/ou social, através de programas educacionais e de assistência social. Este é o cenário atual que o qualifica como um dos trabalhos mais relevantes no cunho social e humanitário. Hoje, as vésperas de completar 100 anos, sob a presidência do Frei Eloi Dionísio Piva, o CETS tem a sua missão mantida apesar das dificuldades do dia a dia. A equipe que trabalha neste sentido tem total dedicação à causa e tem como visão, em futuro próximo, zerar a fila de espera para vagas de atendimento. Assim, meus caros leitores, divulguem o belo trabalho do Centro Educacional Terra Santa e teçamos uma teia pela vida. 

achugueney@gmail.com