Tribuna de Petrópolis

Texto A - A A +

Tatuagens: mulheres se rendem a arte milenar

Por: Janaina do Carmo
12/02/2017
Compartilhar:
Foto Marco Oddone

A cada dia mais mulheres estão se rendendo a arte de tatuar o corpo. Médicas, donas de casas, vendedoras, advogadas, professoras, dançarias, não importa a profissão e nem a idade, elas querem expressar suas opiniões. A tatuagem é uma prática milenar, múmias já foram encontradas com algum desenho no corpo. Para os povos antigos representava algum ritual de passagem ou para identificar algumas tribos. No mundo contemporâneo a arte já foi marginalizada, mas atualmente foi se popularizando e tatuar o corpo deixou de ser um simples ato de rebeldia se transformando em forma de expressão da personalidade. O preconceito com quem tem o corpo tatuado está perdendo espaço e hoje em dia a arte é admirada, ganhando muito mais adeptas. 

Vindo de uma família de artistas, o tatuador Rafael Gandour Sixel, de 38 anos, conhecido como "Babu", que há 20 anos está na profissão, percebe que a cada dia seu estúdio vem sendo invadido por elas. De cada 10 clientes, cinco são mulheres. "Elas estão chegando e cada vez mais com tatuagens mais imponentes, com mais personalidade", disse. Babu conta que as clientes são de todas as idades e que a mulher mais velha que tatuou tinha 70 anos. "Foi bem legal, isso mostra que a arte está crescendo, ganhando espaço e com menos preconceito", ressaltou.

Tatuagens delicadas e suaves como corações, estrelas, flores, símbolo do infinito, nome dos filhos, continuam sendo a preferência delas. Mas, de acordo com Babu vem crescendo o número de adeptas por tatuagens maiores e mais "ousadas". "Tenho muitas clientes que fizeram tatuagens de fechamento dos braços, pernas e costas. Antigamente não era assim, elas preferiam algo mais discreto", lembrou. Mas não importa o tamanho do desenho, o principal, segundo Babu é ter certeza do que quer e ao decidir, fazer com consciência. "A tatuagem é uma arte que vai ficar pra sempre no seu corpo. É preciso ter muita certeza do desenho que quer fazer", alertou.

A analista de sistemas, Carla Bonsaver, de 40 anos, fez a primeira tatuagem com 28 anos. Hoje, 12 anos depois do primeiro desenho ela já coleciona cinco tatuagens. "Sempre tive vontade de fazer, desde a adolescência, mas só tive coragem bem depois", contou. No seu corpo, ela fez homenagem aos dois filhos, ao marido (tatuando a data de namoro), a uma amiga (tatuando um desenho feito por ela), além de expressar sua paixão pelos livros, o café e a sua crença. "Cada uma tem um significado e foram feitas como forma de afirmação, marcando no meu corpo cada momento de mudança na minha vida", disse. Carla pretende fazer mais e confessa que tem superstições. "As tatuagens tem que ser em número ímpar, sempre, para não dar azar", confessou.

Para Babu o que ainda não mudou são as partes do corpo onde elas preferem tatuar. "Pulso, pescoço, pé, tornozelo e ombro são os locais preferidos delas. Isso ainda vem se mantendo ao longo dos anos", disse o tatuador. A estudante de fisioterapia Alessandra Mota Costa de Oliveira, de 18 anos, já coleciona seis tatuagens nos pés, panturilha, tornozelos, coxa e costela. E ela pretende não parar por aí. “Na minha lista ainda há oito tatuagens que quero fazer”, disse. 

Na costela, por exemplo, a jovem tatuou a frase o livro “O Pequeno Príncipe”: O essencial é invisível ao olhos. E na coxa, ela tem o trecho de uma música de sua banda preferida, Symphony X: “Divino ou maldito, faça sua escolha e aproveite o dia”. “Pra mim, além de estilo as tatuagens representam o que eu sou, o que eu penso e o que levo da vida”, frisou.

Para tatuar o corpo é preciso tomar algumas precauções e escolher com cuidado o estúdio e o tatuador. “É preciso observar se o material usado é descartável, se os equipamentos estão esterilizados e o ambiente é tranquilo. Procure sempre um profissional qualificado”, recomentou Babu. A única restrição para fazer tatuagem é ter mais de 18 anos.

Após fazer a tatuagem também é preciso tomar cuidado com a exposição ao sol (a recomendação é esperar 30 dias usando sempre o protetor solar), manter o local sempre higienizado e usar uma pomada para cicatrização. 


Veja Também

André Carvalhal, autor de importantes livros de moda, ministra palestra em...

Um dos grandes nomes da moda no país estará em Petrópolis no dia 14 de fevereiro, às 19h, para uma palestra sobre as transformações que o setor... Leia mais >>

Glitter no rosto é tendência para looks de Carnaval

Com a ideia de dar mais alegria aos looks, o glitter é uma aposta do verão. Segundo os maquiadores, ele veio para passear no dia a dia, mas ainda... Leia mais >>

Doações de cabelos ainda podem ser feitas à ONG Cabelegria

Nessa semana a “Cabelegria” passou por Petrópolis. A ONG paulistana, que já conta com mais de 80 mil doações de cabelos e mais de 300 mil... Leia mais >>

Óculos de maquiagem ideais para mulheres independentes

Todo mundo já entendeu que para quem usa óculos pintar os olhos não é tarefa das mais fáceis. A mulher com qualquer tipo de deficiência visual,... Leia mais >>